Morte de Domingos Montagner foi um trágico capítulo da vida real, tendo como cenário o Velho Chico

Há 2 anos atrás
Domingos Montagner em cena da quase morte de Santo, em Velho Chico. Foto: Reprodução/TV Globo
Compartilhe:

Uma tragédia pegou de surpresa todo o Brasil na tarde desta quinta-feira (15). Por volta das 15h, já causavam apreensão as primeiras notícias sobre o desaparecimento do ator Domingos Montagner, que interpretava o personagem Santo, protagonista da novela das 21h da TV Globo, “Velho Chico”. Montagner desapareceu nas águas do rio após um mergulho, em momentos de lazer nos intervalos de gravação dos últimos capítulos da trama. A apreensão confirmou a tristeza que todos sentiam quando, por volta das 18h, todos pararam ao ouvir o som do icônico plantão da TV Globo. A jornalista Renata Vasconcelos ia falar aquilo o que todos já sabiam que tinha acontecido: Domingos Montagner estava morto, afogado depois de ser arrastado pelas correntezas do Velho Chico… o rio.

Com 54 anos, o ator era casado e pai de três meninos. O trecho do rio em que ele morreu fica em uma área de divisa entre os estados de Sergipe e Alagoas. Parecia mentira, tamanha a semelhança do trágico acontecimento com os capítulos que trama de Benedito Ruy Barbosa apresentou ao público nos últimos meses.

“Velho Chico” estreou no horário nobre da TV Globo em março, trazendo consigo grande expectativa e aprovação por causa da revolução na linguagem visual e narrativa da trama. Mais que nome e cenário, o Rio São Francisco era um personagem da novela. Talvez o Velho Chico fosse o verdadeiro protagonista da trama.

Vários personagens morreram nas águas do rio. Essas mortes eram físicas ou simbólicas. Tudo no Velho Chico de “Velho Chico” era renovação e transição. Com três fases, a novela viu o tempo passar para os personagens após a imersão destes nas águas em tom de verde esmeralda que edição da TV Globo acentuava na imagem que chegava às telas dos telespectadores.

Amores nasceram no Velho Chico; Filhos foram gerados no Velho Chico; Desentendimentos eram resolvidos no Velho Chico. O passado atormentava Encarnação diariamente às margens do Velho Chico. Vidas se acabavam no Velho Chico.

Talvez a maior ironia da novela que Benedito Ruy Barbosa, em parceria com o neto bruno Luperi, tenha trazido foi a mistura entre a realidade e ficção. A vida, desta vez, imitou a arte.

Nos capítulos do mês de Agosto, o protagonista que Montagner vivia desapareceu nas águas do Rio São Francisco depois de levar tiros com balas de revólver, disparados por alguém ainda desconhecido na trama. O desaparecimento de Santo era apenas um recurso usado para “segurar” os acontecimentos da trama enquanto durava a transmissão dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que afetavam diretamente na audiência da emissora n horário em que a novela vai ao ar.

Terminadas as Olimpíadas, a novela voltava a seu ritmo normal. Santo é reencontrado pela amada Tereza (Camilla Pitanga). Nas cenas, Tereza grita pra que Santo volte à vida. Nas telas, Santo retorna em nome do amor. Nesta trágica tarde, Camilla também estava com Montagner, mas o roteiro que os dois seguiam não estava ensaiado. Não era esperado. Benedito não havia previsto. Domingos morreu. No fundo do Velho Chico.

PUBLICIDADE: